inova logo branca
igor pinheiro ceo

Igor Pinheiro

C.E.O da Inova Civil
Ativo 17

Os 3 Pilares do Planejamento de Obras

      O mercado da construção civil vem se tornando cada vez mais competitivo, exigindo que o setor tenha métodos que potencializem os lucros das empresas sem perder qualidade na realização do serviço. Nesse contexto, o planejamento de obras se torna mais importante a cada dia, pois pode trazer muitos benefícios para qualquer construção.

Figura 1

1. Os 3 pilares do planejamento de obras

       O planejamento de obras possui 3 pilares principais que garantem a obtenção de diversos benefícios através da gestão de obras, esses pilares são o planejamento, o orçamento e a gestão. Vamos discutir um pouco mais sobre o que é cada um deles.

  • Planejamento: no planejamento analisamos qual a melhor organização e sequência de serviços a serem realizados, qual será a forma de ataque dessa obra, qual a melhor estratégia para aliviar o fluxo de caixa das empresas.
  • Orçamento: no orçamento são definidas metas de compras de materiais, de produtividade para as equipes de serviços, condições de contorno para não sair do prazo e as necessidades de mão de obra e material ao longo do tempo.
  • Gerenciamento: o gerenciamento requer acompanhamento da obra e registros desses dados, com esses dados em mãos é necessário comparar o que está acontecendo de fato com o que foi planejado. A partir dessa comparação o responsável tomará as decisões relacionadas a obra, decidindo qual o momento de acelerar ou desacelerar determinados serviços ou quais são a atividades que devem ser priorizadas em caso de problemas para não atrapalhar o cronograma geral do empreendimento.

 

2. Os benefícios

      Já sabemos que um planejamento de obras bem executado traz inúmeros benefícios para o empreendimento, então vamos falar sobre os principais e mais notáveis.

  • Manter os prazos estipulados: o planejamento contém o cronograma de todas as atividades de forma detalhada especificando sua data de início, de conclusão e quais suas atividades predecessoras. Além disso, no cronograma deve conter uma folga de tempo que funciona como uma margem de erro para que em casos de imprevistos o cronograma não seja atrasado por completo. Com esse cronograma em mãos e acompanhando o andamento da construção o responsável tem as informações necessárias tomar decisões para garantir o prazo estipulado.
  • Maior controle dos materiais e mão de obra: com o cronograma os responsáveis podem saber exatamente qual a quantidade de mão de obra e de material necessários para cada etapa da obra, podendo prever quando irão faltar ou quando estarão em excesso. Isso garante que a obra nunca esteja parada por falta de insumos ou que ocorra um acúmulo de mão de obra ou material no canteiro.
  • Evitar retrabalhos: durante o planejamento a ordem das atividades é definida de o modo a evitar repetição de trabalhos. É muito comum que em pequenas obras o reboco seja realizado antes das instalações elétricas e quando instalações são iniciadas é necessário quebrar o reboco no local e rebocar novamente após concluir a instalação, com isso perdeu-se tempo realizando novamente uma atividade que foi realizada equivocadamente.
  • Aliviar o fluxo de caixa da empresa: durante a realização do planejamento é possível organizar as atividades de modo que o desembolso de dinheiro da empresa seja diluído ao longo do tempo, podendo ,por exemplo, evitar que etapas que precisam de materiais caros sejam realizadas ao mesmo para que não seja necessário uma grande gasto com esse materiais de uma única vez.
  • Redução de custos: a junção de alguns benefícios citados acima como evitar retrabalhos, maior controle dos materiais e da mão de obra, manter a obra prazo previsto, todo esse conjunto de fatores garante que os custos sejam reduzidos através de um bom planejamento.
  • Análise de desempenho: além de todos os benefícios citados acima o acompanhamento da obra lhe garante informações que te ajudarão a analisar o desempenho das diferentes equipes do empreendimento em questão e que também servirão como base para planejamento e execução de construções futuras.

 3. Os passos para realizar

      Para realizar um bom planejamento é necessário seguir algumas etapas que irão garantir que tudo ocorra da melhor forma possível.

  • Organização das atividades e serviços

      Essa é primeira etapa a ser realizada, é nela que ocorre a definição do método construtivo e do cronograma completo e detalhado. Após definir o método construtivo é necessário sequenciar as atividades. As tarefas devem seguir uma ordem lógica de modo que atividades que possuem dependência de outras não se choquem atrasando o andamento geral da obra, é indicado acrescentar um tempo que serve como margem de segurança para atividades que possuem precedência para que caso algo não saia como previsto seja possível resolver o problema sem afetar o cronograma geral da obra.

      Com o sequenciamento em mãos o próximo passo é fazer um levantamento de todos os serviços que serão realizados, nessa etapa é indicado a presença de um responsável por cada serviço para estabelecer medidas de tempo e de materiais coerentes com a demanda real.

  • Levantamento dos quantitativos

      Após realizar o levantamento de todos os serviços a serem realizados é necessário identificar a quantidade necessário de cada serviço desde a mão de obra até os insumos que serão utilizados. Isso servirá como base para o orçamento dos materiais, mão de obra, dimensionamento de equipes e equipamentos. Esse levantamento pode ser feito pelo projeto arquitetônico ou no local da obra em caso de reformas, é um processo trabalhoso e que exige muito cuidado pois um erro pode se estender para todo o restante do planejamento.

 

  • Custos Diretos

      Com os quantitativos em mãos, é possível calcular os custos diretos, para isso é necessário multiplicar a quantidade obtida de cada serviço pelas suas composições de custos unitários. Com isso, é possível obter um orçamento de gastos como mão de obra, materiais e equipamentos para cada serviço e para a obra como um todo.

  • Cronograma físico

      O cronograma estima o tempo que cada atividade leva para ser finalizada, nele também está incluso o sequenciamento das atividades considerando as suas datas de início e fim pré-estabelecidas. Essa etapa tem um aspecto mais gerencial, envolvendo decisões referentes a relação tempo-custo tanto na elaboração do cronograma quanto no acompanhamento da obra. Como sabemos dificilmente o andamento ocorre exatamente como o planejado então é possível que seja necessário trocar a ordem de alguma atividade ou fazer outras alterações para que o cronograma não seja atrasado, essas decisões são tomadas pelo gestor que com o cronograma em mãos irá avaliar a melhor opção para resolver o problema.

  • Cronograma financeiro

      O cronograma financeiro é elaborado tendo como base o cronograma físico e a disponibilidade financeira da empresa, com ele a visualização do calendário de despesas e receitas se torna mais fácil e a empresa pode se preparar e ter maior controle de receitas e despesas sabendo exatamente os períodos de déficit e superávit financeiro no fluxo de caixa.

 

5. Métodos utilizados

       Existem diversos métodos para realizar o planejamento de uma obra então escolhemos os métodos mais utilizados nas construções de todo o mundo.

  • Linhas de Balanço

       Linhas de balanço é uma técnica de planejamento bastante comum na construção civil, sendo muito utilizada em obras com atividades repetitivas. As linhas mostram o ritmo das atividades, a ordem de realização de cada uma delas, onde cada equipe está trabalhando em determinado período de tempo e diversas outras informações utilizadas na gestão da obra.

       Os objetivos das linhas de balanço são: encontrar um ritmo adequado para a conclusão de cada atividade em cada local da obra, encontrando um ritmo adequado para cada atividade garante que elas sejam realizadas no tempo previsto e evita que as atividades se choquem atrasando o cronograma geral; manter o fluxo de atividades contínuo ao longo do tempo, mantendo um fluxo de atividades contínuo  é possível estabelecer um maior controle do fluxo de materiais e mão de obra e evita que a obras seja interrompida; aproveitar a repetição do trabalho para ganhar produtividade, quando realizamos uma atividade repetidas vezes é comum que ela se torne cada vez mais simples e que nós nos tornemos cada vez mais produtivos a medida que nos acostumamos com ela, esse método utiliza essa ideia que surgiu no sistema de produção Fordismo para ganhar mais produtividade nas construções.

        Se você quiser saber um pouco mais sobre esse método temos um conteúdo explicando detalhadamente como ele funciona: Clique aqui.

Figura 2 – Linha de Balanço

 

  • Caminho crítico

      O método do caminho crítico também é muito utilizado no setor da construção, pois, apresenta as informações necessária de forma detalhada e bastante visual. Nesse método, após ter realizado o planejamento e um levantamento dos serviços, cada atividade ligada a outra, sempre sua anterior e a sua subsequente, indicando a ordem que elas devem ser realizadas e quais precisão ser concluídas antes que outra inicie. Também são adicionadas restrições especificas que determinam data de início prevista, última data de início (última data possível para iniciar sem atrasar o cronograma), data de conclusão, última data de conclusão e diversas outras especificações que servem para realizar o acompanhamento e garantir que tudo aconteça dentro do prazo previsto.

       Para construir um caminho crítico primeiro é necessário conhecer todas as atividades que devem ser realizadas e em seguida definir a ordem de execução de cada uma, sempre deixando claro qual atividade é predecessora de outra, em seguida são definidos os prazos de início, conclusão e duração de cada uma. Com tudo isso em mãos analisa-se quais são os insumos necessários e em quais quantidades. Depois de realizar todos esses passos ocorre a definição de quais atividades atrasariam o cronograma geral caso aconteça algum problema, essas atividades não possuem folga de tempo e precisam de muita atenção, por isso ela compõe o caminho crítico da obra.

Figura 3 – Caminho Crítico

5. Softwares

       O software mais utilizado no mundo inteiro não só para planejamento de obras como também para diversas outras áreas é o Ms Project, esse software ajuda a controlar não só o cronograma de atividades como também os custos e os recursos necessários garantindo menores chances de ocorrência de erros.

      No Ms Project você pode organizar todas as atividades considerando a sua ordem execução e os seus prazos de início e conclusão, além disso, é possível visualizar qual atividade possui dependência de outras, facilitando a compreensão e acompanhamento das atividades predecessoras evitando problemas futuros. Como ele cria vínculos entre essas atividades, caso ocorra algum imprevisto o software irá fazer as alterações no cronograma de forma automática, mas é claro que para isso você precisa alimentá-lo com as informações obtidas no acompanhamento da obra.

      O software também oferece a possibilidade de criar planilhas e gráficos que auxiliam o responsável a gerenciar o projeto e a se comunicar com os demais interessados. Além disso, ele gera gráficos como a curva S e o caminho crítico de forma automática e auxilia no controle de materiais, de mão de obras e na redução de gastos.

Figura 4 – Tela do Ms Project

 

 

Referências

Figura 1 – Disponível em: < https://www.engenhariala.com/blog >.

Figura 2 – Disponível em: < https://uvagpclass.wordpress.com/2017/03/28/prazos-curtos-ou-mal-calculado/ >.

Figura 3: Disponível em : < https://inovacivil.com.br/como-funciona-uma-linha-de-balanco/ >.

Siga nossas redes sociais:
logo cinza inova
Todos os direitos reservados® – Inova Civil Plataforma Educacional | CNPJ 22.371.237/0001-11
Políticas de Privacidade & Termos de Uso